Guia Completo da Síndrome da Dor Patelofemoral – Parte 1 – Prevalência, apresentação e anatomia

2
2218
Guia Completo da Síndrome da Dor Patelofemoral - Parte 1 - Prevalência, apresentação e anatomia

Guia Completo da Síndrome da Dor Patelofemoral – Parte 1

A dor no joelho é um problema muito comum, enfrentado por diversas pessoas, que afeta tanto o treinamento, quando as atividades de vida diária do indivíduo.

Ela é ainda um dos principais problemas tratados por fisioterapeutas no ambiente clínico. Foi pensando nisso que o fisioterapeuta Dan Pope criou o artigo que resolvemos adaptar para esse texto, contendo os pontos principais sobre a dor no joelho.

O artigo escrito pelo fisioterapeuta aborda questões como a forma mais comum de dor no joelho, qual a sua prevalência e apresentação, qual é a anatomia por trás dessa dor, quais são as causas da dor no joelho, os fatores de risco e, principalmente, qual o tratamento para que a dor no joelho desapareça por completo.

Guia Completo da Síndrome da Dor Patelofemoral - Parte 1 - Prevalência, apresentação e anatomia

Este artigo é composto de 7 partes e elas serão postadas aqui, no PORTAL LUPMED. Não perca. Acompanhe toda a Série!

Vamos começar…

Qual é a forma mais comum de dor no joelho?

A forma mais comum de dor no joelho é o que conhecemos como Síndrome da Dor Patelofemoral. Ela é popularmente conhecida como dor anterior de joelho, condromalácia patelar, ou joelho de corredor.

É a lesão de joelho mais comumente tratada pelo fisioterapeuta, e mais comum ainda para aqueles que tratam corredores, levantadores de peso, pessoas que praticam crossfit, e atletas que de forma geral correm ou agacham com muita freqüência.

Sabemos que nas fases iniciais dessa condição, exercícios como o agachamento, corrida, ou mesmo atividades simples do dia a dia como subir e descer escadas são muito dolorosas, ou mesmo impossíveis de serem realizadas devido à dor.

Mas é importante frisar que essa é uma situação normal, e que melhora com o tempo, e é claro, com o tratamento adequado.

E que muito mais gente do que você imagina, sofre desse problema.

Qual é a prevalência da Síndrome da Dor Patelofemoral?

Vamos aos números. A Síndrome da Dor Patelofemoral corresponde a 25% de todas as lesões de joelho no contexto ortopédico.

É muito comum em corredores, tenistas e militares. Ela ocorre em cerca de 3,8% dos homens e 6,5% das mulheres anualmente, no mundo.

É uma condição muito prevalente em levantadores de peso e atletas de crossfit. A Síndrome da dor patelofemoral é vista com mais frequência em adultos jovens, e pode ocorrer ainda em período de estirão de crescimento em adolescentes.

Qual é a apresentação clínica da Síndrome da Dor Patelofemoral?

Ela está presente, como dito acima, principalmente em adultos jovens, e em períodos de rápido crescimento, como os estirões da adolescência.

Guia Completo da Síndrome da Dor Patelofemoral - Parte 1 - Prevalência, apresentação e anatomia

A sua apresentação mais comum é com um aparecimento progressivo de dor na região anterior do joelho. Essa dor aparece principalmente ao redor, ou diretamente “embaixo”, da patela.

A Síndrome da Dor Patelofemoral é uma condição difícil, que pode durar por anos se não for tratada adequadamente. Ou seja, é uma condição que não melhora espontaneamente apenas com o repouso, e que pode ser dolorosa por muito tempo.

Geralmente a dor aumenta em movimentos que aumentam a sobrecarga na articulação patelofemoral, como o agachamento, a subida de escadas, a escalada, a corrida, e a permanência na posição sentada por longos períodos de tempos.

Cerca de 755 dos pacientes com essa síndrome demonstraram ter hipersensibilidade na região da patela.

Qual é a definição da Síndrome da Dor Patelofemoral?

A Síndrome da Dor Patelofemoral é caracterizada por um dor ao redor ou atrás da patela, que piora com pelo menos uma atividade que sobrecarrega a articulação patelofemoral, como o agachamento, a corrida, a subida de escadas, e pular.

Critérios adicionais que definem a síndrome incluem crepitação na articulação patelofemoral durante os movimentos de flexão do joelho, hipersensibilidade na região patelar, pequeno inchaço na região da articulação, dor ao sentar, ou mudar de posição de sentado para de pé.

Para que possamos entender de fato essas definições apresentadas, vamos revisar a anatomia do joelho, e fixar alguns conceitos importantes.

Entendendo a anatomia por trás da Síndrome da Dor Patelofemoral

Vamos relembrar a anatomia do joelho relevante para a síndrome, para entender melhor o que já foi dito, e compreender os conceitos que serão apresentados a seguir.

A articulação patelofemoral é composta da patela, e do fêmur. Ela nada mais é do que a conexão entre esses dois ossos.

A patela repousa na frente do fêmur, e desliza durante os movimentos do joelho em uma estrutura chama de sulco troclear.

Nos movimentos de flexão do joelho, a patela desliza para baixo no fêmur, e nos movimentos de extensão do joelho, ela retorna para cima, se movendo sempre em cima do sulco troclear. Esse movimento é chamado de rastreamento patelar, e está relacionado ao alinhamento patelar durante o movimento.

O interior da articulação patelofemoral é coberto por cartilagem articular, um tipo bem rígido de tecido conjuntivo que é especialmente feito para dissipar as cargas que ocorrem na articulação, criadas pelo quadríceps.

Um dos princípios da Síndrome da Dor Patelofemoral é que se não existir um alinhamento adequado da patela no sulco troclear, o estresse na articulação se torna aumentado, mais comumente na região lateral da articulação. Essa condição, conhecida como rastreamento inadequado da patela, ou mau alinhamento da patela, é o que gera, em última instância, a dor.

Guia Completo da Síndrome da Dor Patelofemoral - Parte 1 - Prevalência, apresentação e anatomia

Mas, veremos mais pra frente neste material, que esse mau alinhamento é responsável apenas por uma pequena parcela do problema na Síndrome da Dor Patelofemoral.

Na articulação patelofemoral existem ainda diversos outros componentes e estruturas que podem se lesionar com o mau alinhamento da patela, dentre elas:

  • Plica sinovial;
  • Gordura de Hoffa;
  • Retináculos medial e lateral;
  • Cápsula articular;
  • Ligamentos patelofemorais;
  • Osso subcondral;
  • Cartilagem articular.

Diversas estruturas no joelho ajudam no alinhamento da patela e no seu movimento correto no sulco troclear. Algumas dessas estruturas são estabilizadores passivos, enquanto outras são estabilizadores ativos.

As estruturas ativas são os músculos, que podem se contrair ativamente e ajudar na estabilização do joelho.

Já as estruturas passivas são estruturas não contráteis, como ossos e ligamentos, que conferem uma estabilidade inerente à articulação, e que são pouco alteradas pela reabilitação (existem cirurgias que podem interferir na estabilidade gerada por estas estruturas, aumentando ou diminuindo).

As estruturas passivas que estabilizam a articulação patelofemoral são:

  • Alinhamento ósseo entre a patela e a fossa troclear;
  • Tendão patelar;
  • Cápsula articular;
  • Ligamento meniscopatelar medial;
  • Retináculo medial;
  • Ligamento patefemoral lateral;
  • Banda ileotibial;
  • Retináculo lateral.

As estruturas ativas que estabilizam a articulação patelofemoral são:

  • Quadríceps, especialmente o vasto medial, que se inserem diretamente na patela, e controlam e região medial da articulação do joelho;
  • Os músculos que se inserem no que chamados de pata de ganso: Adutores e extensores de quadril;
  • Bíceps femoral – parte dos extensores de quadril.

Todas essas estruturas têm papel na estabilidade da articulação patelofemoral e são muito importantes para o processo de reabilitação da Síndrome da Dor Patelofemoral.

Anatomia do quadril, do tornozelo e do pé por trás da Síndrome da Dor Patelofemoral

Algumas das estruturas ao redor da articulação do joelho são muito importantes no processo de entendimento da Síndrome da Dor Patelofemoral, e principalmente, no seu tratamento.

Como diz o ditado, “o joelho é escravo das articulações acima e abaixo dele”.

E isto é a mais pura verdade.

O que isso significa é que o que acontece na articulação patelofemoral, especialmente o alinhamento patelar e seu rastreamento, é diretamente influenciado pelo tornozelo, pés, e pelo quadril.

Por isso, vamos falar brevemente da anatomia dessas articulações, e vamos entender melhor seu papel quando formos conversas sobre a biomecânica envolvida no mecanismo da Síndrome da Dor Patelofemoral nos textos futuros.

Guia Completo da Síndrome da Dor Patelofemoral - Parte 1 - Prevalência, apresentação e anatomia

O quadril

O quadril é uma articulação muito grande, cercada de músculos muito fortes, que influenciam diretamente a articulação patelofemoral.

Os glúteos se inserem diretamente no fêmur, bem como músculos como o piriforme, gêmeo superior, obturador interno, gêmeo inferior, quadrado femoral, e o obturador externo.

A força e o controle desses músculos são de fundamental importância no movimento da articulação patelofemoral e do seu alinhamento, bem como têm influencia na quantidade de sobrecarga que é imposta nessa articulação durante o movimento.

Logo, o fortalecimento desses músculos ajuda no tratamento da Síndrome da Dor Patelofemoral, como veremos mais adiante.

O pé e o tornozelo

As duas articulações que serão focadas são as articulações do tornozelo, por sua importância no alinhamento do joelho:

  • Articulação talo-crural: a articulaçãotalo-crural é a articulação responsável pela dorsiflexão e pela plantiflexão do tornozelo.

A dorsiflexão é especialmente importante, pois eladetermina parcialmente a quantidade de flexão de joelho que somos capazes derealizar em movimentos como o agachamento e a corrida.

Veremos isso melhor mais pra frente, mas a flexão do joelho tem uma correlação direta com a sobrecarga da articulação patelofemoral durante o movimento.

Ainda, uma mobilidade limitada do tornozelo pode influenciar o mau alinhamento da patela. O movimento da articulação talo-crural é influenciado pelos músculos sóleo e gastrocnêmio, bem como pela articulação em si.

  • Articulação subtalar e do médio-pé: essas articulações possuem influência direta no tamanho do nosso arco plantar. Isso é importante porque o arco plantar do pé influencia na quantidade de rotação que ocorre na tíbia, que é o osso da canela, durante o movimento. A tíbia está diretamente ligada no tendão patelar, que se liga à patela.

Logo, movimentos da articulação subtalar influenciam no rastreamento da patela e no seu movimento sobre o sulco troclear. Esse tópico será mais detalhado nos textos seguintes, portanto continue acompanhando esta série de artigos, mas vamos apenas relembrar a anatomia envolvida por ora.

As estruturas que mais influenciam no controle do arco plantar são:

  • Os músculos sóleo e gastrocnêmio;
  • O músculo tibial posterior;
  • O músculos flexor longo do hálux;
  • As articulações subtalares e de médio-pé.

Recapitulando o que vimos até agora…

A Síndrome da Dor Patelofemoral é a forma mais comum de dor no joelho tratada pelos fisioterapeutas no ambiente clínico ambulatorial.

Ela é definida como dor ao redor ou atrás da patela, que pior com pelo menos uma das atividades que aumenta a carga na articulação patelofemoral, como correr, agachar e subir escadas.

A patela desliza pelo sulco troclear durante a flexão do joelho, e o alinhamento da patela nesse sulco é importante pois, quando alterado, pode levar à irritação de diversas estruturas e tecidos ao redor da articulação patelofemoral.

Existem diversas estruturas responsáveis por estabilizar a articulação patelofemoral e controlar o seu alinhamento. Essas estruturas podem ser ativas ou passivas e são fundamentais para a articulação se manter funcional.

A articulação do joelho é ainda influenciada de forma direta pelas articulações do quadril e do tornozelo, e elas podem aumentar ou diminuir a sobrecarga na articulação patelofemoral, como veremos em mais detalhes nos próximos textos sobre o tema.

Como esse é um assunto extenso e exige bastante atenção, vamos prosseguir no próximo texto.

Retornaremos com mais informações e com a parte 2 do nosso guia sobre a dor no joelho e sobre a Síndrome da Dor Patelofemoral.

Adaptado

Ficou com alguma dúvida sobre Prevalência, apresentação e anatomia relacionadas à Síndrome da Dor Patelofemoral?

Tem algo a acrescentar com base na sua prática clínica?

Essa é realmente uma condição que você vê com muita frequência no seu consultório?

Vamos discutir um pouco mais sobre esse assunto nos comentários!

Veja também: Artrocinemática – O Movimento das Articulações